Portal do Governo Brasileiro
  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Página Inicial

Estágio Probatório

Imprimir

IFG altera modelo de avaliação de desempenho no estágio probatório

A partir de hoje, 1º de setembro, começa a valer o novo modelo de avaliação de desempenho para servidores do Instituto Federal de Goiás que estão no estágio probatório. Até o dia 30, esses servidores deverão acessar a página eletrônica da Diretoria de Recursos Humanos (clique aqui), imprimir e responder os formulários da avaliação. São três documentos: autoavaliação (a própria pessoa se avalia), a avaliação da chefia imediata e a avaliação da equipe – composta por três pessoas, que devem ser escolhidas pelo próprio servidor.

Dentre as mudanças, o pró-reitor de Desenvolvimento Institucional, Weber Tavares da Silva, destaca cinco pilares importantes. O primeiro deles é a alteração nos formulários que já são aplicados. Os documentos passaram por reformulação e “agora o servidor terá mais clareza do que realmente está sendo avaliado”, afirma Weber. A segunda mudança importante é a época de realização das avaliações. Elas passam a ter fluxo semestral e serão feitas apenas nos meses de setembro (referente ao primeiro semestre do ano) e de março (referente ao segundo semestre do ano anterior). Os servidores em estágio probatório terão 30 dias para responder aos questionários. “Essa concentração de periodicidade é importante para que cada um lembre e para que possamos fazer uma comunicação única”, diz o pró-reitor.

O terceiro pilar é a forma da devolutiva (feedback). Ela ocorrerá em três momentos: o primeiro deles será um diálogo entre o servidor avaliado e o seu chefe imediato, após o preenchimento dos formulários. No segundo momento, após a chefia entregar as avaliações ao setor de Recursos Humanos (Reitoria ou câmpus), haverá um retorno coletivo da unidade administrativa, ou seja, serão apresentados, em reunião, os resultados gerais de todas as avaliações dos servidores em estágio probatório, sem mencionar nome ou problemas específicos. Essa etapa será cumprida por uma Comissão de Avaliação. A terceira e última etapa só é válida para servidores que tiveram notas na avaliação abaixo de 7. Para estes, haverá uma devolutiva individual com a Comissão de Avaliação, que poderá contar com a presença da chefia e da equipe do setor Recursos Humanos. Caso haja necessidade, será incluído ainda alguém da equipe multiprofissional.

O quarto pilar mencionado pelo pró-reitor é a constituição das Comissões de Avaliação. Elas serão compostas por seis servidores efetivos: três titulares e três suplentes. Cada câmpus e a Reitoria terá sua Comissão de Avaliação, que vai analisar as avaliações dos servidores da unidade em específico e emitir parecer. Essas análises serão realizadas nos meses de outubro e abril de cada ano. A condução do processo para formar essas Comissões de Avaliação será feita pelo Conselho de Câmpus, nos câmpus, e pela Diretoria Executiva, na Reitoria. Pela legislação, os integrantes das comissões deverão ter, no mínimo, graduação e terão atuação por dois anos.

O quinto e último pilar é a instrução processual, que será realizada pela Diretoria de Recursos Humanos, na Reitoria, e pelas coordenações de RH, nos câmpus. A partir de agora, até o término do estágio probatório, o servidor terá um processo único e exclusivo, onde estarão reunidos todos os documentos avaliativos referentes a esse período. Esse processo será arquivado até a avaliação final em uma pasta que ficará no setor de recursos humanos de cada unidade. Para quem está com estágio probatório em andamento, as avaliações já realizadas no modelo antigo serão anexadas a esse processo. Mesmo quem já respondeu os questionários há pouco tempo, terá que fazer novamente.  “A gente espera que a partir da avaliação, o servidor possa atender o que a administração espera dele. Quero deixar bem claro que esse é um momento de orientação ao servidor. A gente quer que ele chegue ao fim do estágio probatório com condições de atender a administração”, comenta Weber.

Procedimento

Durante os meses de avaliação – setembro e março -, o servidor em estágio probatório vai preencher os formulários de avaliação; ele, a chefia e a equipe. Após a chefia tomar posse dos documentos, ela já dará uma primeira devolutiva ao servidor, individualmente. Depois desse momento, a chefia entregará as avaliações ao setor de recursos humanos no câmpus ou na reitoria, de acordo com a lotação do servidor. O RH montará então a pasta do processo de cada um e enviará as avaliações à Comissão de Avaliação daquela unidade, para análise. Após essa fase, de acordo com a pontuação, iniciará o processo de feedback já mencionado.  O servidor poderá ainda interpor recurso contra a análise da Comissão de Avaliação, conforme a orientação publicada pela Diretoria de Recursos Humanos (acesse aqui).

Caso o recurso seja indeferido, ele passará a ser analisado pelo setor de recursos humanos.  A Diretoria de Recursos Humanos publicou hoje um documento com as orientações sobre o novo procedimento, que está disponível no link: http://www.ifg.edu.br/gdrh/index.php/avaliacaodesempenho  No dia 15 de setembro, às 10 horas, haverá uma transmissão web do pró-reitor Weber e a equipe do RH envolvida, que darão explicações sobre as mudanças. A partir de hoje, 1º, até o dia 15, ou mesmo na hora, as dúvidas poderão ser enviadas para o e-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Todos os questionamentos serão respondidos nesse dia e transmitidos a todos os câmpus. 

Legislação

A legislação do servidor público determina que ao final de três anos de exercício, período que é chamado de estágio probatório, o servidor deve receber uma nota de avaliação final da sua atuação, para ser aprovado e se tornar estável (por meio de portaria). Ao longo desse tempo, o servidor passa por avaliações todos os anos, para ao final compor um conceito único de aprovação ou reprovação. Pela lei, a nota de aprovação deve ser igual ou superior a 6.  O Instituto adotou como nota de alerta, entre 6 e 6,9, ou seja, os servidores que forem avaliados entre esse intervalo deverão tomar providências para que esse conceito aumente e ele não seja reprovado na avaliação final. As providências para melhorar o desempenho desse servidor serão tomadas em conjunto e com apoio dos setores de Recursos Humanos, na Reitoria e câmpus, além da chefia imediata, e equipe multiprofissional da Instituição; composta por psicólogos, assistentes sociais, fonoaudiólogos, dentre outros.

Saiba mais sobre avaliação de desempenho.


Confira aqui as orientações para acompanhamento do servidor em estágio probatório.


Diretoria de Comunicação Social/Reitoria.